SC: O antijornalismo nosso de cada dia

midia_mente

Já se perguntaram por que uma grande parte dos colunistas do nosso Estado tem uma tara com os partidos de esquerda ou com os movimentos sociais e suas figuras públicas?  É tão absurdo que a palavra ridículo já não cabe mais como adjetivo para caracterizar essa patotinha.

É evidente que tem gente séria no mundo da comunicação, inclusive na grande mídia tradicional, mas, a grande mídia, no geral, definitivamente não é um espaço para a busca de informação coerente.  Um pasquim sem sátira, sem inteligência, sem a predisposição de escovar a história a contrapelo buscando suas cicatrizes, suas chagas, seus hospedeiros, investigando com profundidade os problemas. Ao contrário disso, tais veículos de comunicação expressam suas opiniões moribundas, espelhada num sistema de sociedade decadente.

Um exemplo concreto é o momento atual da greve dos servidores municipais, que recentemente se levantaram contra o pacote de medidas que atingem significativamente suas carreiras, suas vidas, sua sobrevivência e ataca a existência do serviço público de qualidade em Florianópolis.  O ataque desproporcional de alguns colunistas sobre a categoria, além de desleal, também oculta o que não pode ser dito, que o pano de fundo é a benevolência com os membros da “Casa Grande”…num momento onde os mesmos, habituados em governar o municpio é que deveriam ser chamados à responsabilidade (principalmente os devedores e sonegadores).

Não se preocupam em nenhum momento buscar a versão de uma soma considerável da população de Florianópolis (10 mil servidores), que também faz parte, como qualquer um, da mesma cidadania, representada em sua diversidade e pluralidade.

Na coluna política do pseudo jornalista do Diário Catarinense Moacir Pereira, por exemplo, a adoção diária de medidas de discriminação e perseguição contra aqueles considerados fora da comunidade idealizada por eles, ou seja, partidos e organizações de princípios solidários e de classe, são julgados como inimigos da sociedade, já os protagonistas do desmonte das instituições públicas, são considerados como os “mocinhos” de uma história com um final conhecido e infeliz.

Ao recorrer a uma concepção totalitária da política, está recorrendo a essência da artimanha inaugurada pelo fascismo.

Contudo, a vida tem suas surpresas, hoje um discurso fascistoide pode encontrar eco, mas, a história já submeteu os monstros ficarem cara a cara com suas vítimas. O que restou para eles, além dos julgamentos e sentenças foi a humilhação que sua ignorância promoveu. Atualmente não passam de grandes covardes no árduo percurso da humanidade.

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

  1. Dalva disse:

    Em relação a este colunista citado, seu comprometimento com os grupos poderosos de SC e principalmente de Florianópolis, é notório e de longa data.
    Na verdade , sem medo de cometer injustiça , o título de boca alugada , lhe cai muito bem. O colunista mostra sua parcialidade , seu compromisso com as empresas, famílias poderosas e políticos tradicionais que a décadas perpetuam seu domínio sobre a mídia no estado.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s